Assinatura RSS

Eleições 2016 – Luiza Erundina e as contradições da esquerda nas eleições paulistanas

Publicado em

Haddad e Erundina dividem um eleitorado comum e podem acabar de fora do segundo turno

Resultado de imagem para fotos de haddad e erundina mídia ninja

Haddad e Erundina durante manifestação de 11 de setembro -reprodução (Mídia Ninja)

 

Por André de Oliveira do El País

No dia 11 de setembro, em uma manifestação na Avenida Paulista, que pedia o fim do Governo Temer e a convocação de eleições gerais, cerca de 15% das intenções dos votos à Prefeitura de São Paulo estavam, lado a lado, no alto de um mesmo carro de som. Não os votos em sim, claro, mas os depositários deles: a deputada federal Luiza Erundina (PSOL) e o atual prefeito da cidade, Fernando Haddad (PT). De acordo com a última pesquisa Datafolha, ele tem 10% de intenções, ela 5%. Se ele experimentou uma leve ascensão nos últimos dias, ela caiu. Agora, uma crítica que já existia desde o começo da corrida ficou ainda mais comum entre apoiadores de Haddad: Erundina teria que desistir para não dividir a esquerda em um momento em que o cenário nacional está adverso à orientação política.

A pouco menos de dez dias do primeiro turno das eleições, contudo, vai ficando cada vez mais difícil a possibilidade de que ela (ou ele) abra mão da candidatura própria em favor de uma unidade que, talvez – só talvez – pudesse chegar ao segundo turno e fazer frente aos respectivos 26%, 21% e 16% de Celso Russomanno (PRB), Marta Suplicy (PMDB) e João Dória (PSDB). É curioso. Haddad e Erundina compartilham o mesmo berço político, defendem ideias semelhantes em muitos pontos, mas ambos os lados vem, grosso modo, acusando-se de sepultar as chances do outro.

 

Nesta semana, a discussão sobre o papel do PT e do PSOL nas eleições paulistanas ganhou as folhas do jornal Folha de S. Paulo. Em artigos opostos, o doutor em ciência política Mathias de Alencastro e o professor da Universidade Federal do ABC e candidato a vereador pelo PSOL, Gilberto Maringoni, expuseram seus pontos de vista. O EL PAÍS ouviu os dois. Para Maringoni, é verdade que São Paulo pode ir para uma disputa de segundo turno sem um candidato de centro-esquerda – e aí está inclusa também a possibilidade de Marta, que ainda galvaniza votos de um eleitorado mais identificado com a esquerda, ficar de fora da segunda etapa das eleições. “Mas não dá para desconsiderar o fato de que há uma divisão real de pensamento. A distinção que gerou o PSOL a partir do PT é uma dissidência real, que não concorda com o Lulismo e sua espécie de neoliberalismo social”, comenta o candidato a vereador.

Para Alencastro, embora “a Erundina seja muito respeitada e habilidosa politicamente, existe um cálculo que dá um caráter oportunista a sua candidatura”. Segundo ele, há um casamento de circunstância entre a candidata e o PSOL, que tenta, neste momento, se apresentar como o partido a ocupar o espaço que o PT pode deixar na política. “O espólio do PT já começou, mas com a derrota do Fernando Haddad, é toda a esquerda que perde”, diz. O PSOL, argumenta, é hoje um partido sem estrutura para se sustentar. “É uma legenda em que políticos de esquerda têm se refugiado, é só ver o caso da própria Erundina. O PSOL de 2016 tem a cara do PT de 1989. Por enquanto, não é um partido produtor de políticos de projeção nacional, não é um partido em termos de estrutura e aparelho”, comenta.

O possível casamento de conveniência entre Erundina e PSOL já foi criticado em outros momentos, já que ela tem se movimentado também para formar um novo partido, o Raiz. Para Maringoni, o PSOL adotou no caso dela uma “filiação democrática”. “O partido abriu espaço para ela, mas depois das eleições eu espero que haja uma flexibilidade e que ela possa permanecer conosco. O partido de esquerda que precisamos agora é plural, amplo e que congregue todos os insatisfeitos e descontentes desse país”, diz.

São Paulo 2016, Brasil 2018

Segundo Marcos Nobre, cientista político da Unicamp, a intenção de Erundina de formular um novo partido mostra bem o beco em que a esquerda está. “Não são novas legendas que vão resolver. Ninguém ainda descobriu como alavancar a energia de pessoas que estão na rua, que querem fazer política, mas que rejeitam as estruturas do jeito que estão”, diz. A divisão partidária, neste momento, seria um prenúncio do que pode acontecer na corrida presidencial de 2018: a esquerda de fora do segundo turno. “O fato de existirem acusações mútuas entre o PSOL e o PT não é o principal, o principal é que todo mundo está adotando a mesma estratégia, imaginando que um cenário como o de 1989 vai se repetir e uma força política vai conseguir aglutinar o campo da esquerda, como foi o caso do Lula”, diz.

Apesar do cenário adverso para a esquerda, Nobre acredita que a direita também está fragmentada, dispersa. “A única diferença é que a centro direita está sendo mais eficaz ao colocar candidatos no segundo turno, mas não há ninguém com visão global de país, nenhum candidato forte”, comenta. Por isso mesmo, defende que o campo mais progressista busque alternativas rápidas. “Por enquanto, é só um alerta”, conclui. Para Alencastro, a divisão entre os dois espectros políticos está mais clara do que nunca e isso pode facilitar as coisas em 2018. “Com o impeachment de Dilma Rousseff e as primeiras medidas do Governo Temer, a diferença entre um e outro ficou muito clara. Não acredito que as coisas serão tão pantanosas nas eleições presidenciais”, diz.

“Nos tempos do PT fortalecido, uma candidatura de esquerda contra o Haddad, em um momento vital para a legenda, nunca teria decolado. Ele é vítima desse enfraquecimento do partido, mas também paga por opções como a de ter um vice como o Chalita (PDT)”, comenta Alencastro. No alto do palanque, no episódio que abre esta reportagem, ficou clara uma tentativa de aproximação do atual prefeito de São Paulo com setores à esquerda do PT. Ao EL PAÍS, assessores de Haddad confirmaram a intenção. Para Maringoni, é importante que a esquerda se una e que se evite levantar o dedo acusatório. Além disso, é natural que Haddad tente uma aproximação, mas faltando menos de dez dias para as eleições é difícil e não seria honesto que algum dos dois saísse da disputa.

*Artigo publicado na edição deste domingo(24) do El País – edição brasileira

Anúncios

Uma resposta »

  1. Pingback: Eleições 2016 – Luiza Erundina e as contradições da esquerda nas eleições paulistanas — Milton Alves – Fernando Gaebler

Manifeste-se!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: