Assinatura RSS

Opinião – Um congresso tiririca

Publicado em

E o Brasil passa uma enorme vergonha internacional por causa dos tiriricas que neles votaram, muitos dos quais ainda estão comemorando, avoados, o prenúncio do que poderia ser um desastre para os direitos sociais. São todos tiriricas. E como o deputado Tiririca serão prontamente descartados. Não foi para beneficiá-los que o golpe foi construído

Por Wilson “Xixo” Ramos Filho*

Os que execravam o deputado Tiririca(PR-SP) por seu suposto analfabetismo o aplaudiram quando “mudou de ideia” e resolveu apoiar o Golpe Parlamentar. Ignorante, Tiririca pensa que agora sim, agora será finalmente aceito por seus pares e pelas classes médias que até a semana passada dele desdenhavam.

Sempre achei que o deputado Tiririca não destoava na Câmara dos Deputados. Conheço alguns deputados de raciocínio tão primário quanto o dele. Devo confessar, contudo, que nem nos meus piores pesadelos imaginaria a quantidade de tiriricas que infestou o Congresso Nacional nas últimas eleições. A falta de compostura daqueles tiriricas acabrunhado admito, me envergonhou quando tive acesso aos melhores jornais internacionais.

O Brasil, motivo de orgulho nacionalista auri-verde, foi ridicularizado mundialmente. E não por conta do deputado Tiririca, nem sabem que ele existe. A imprensa de vários países preferiu destacar os votos criminosos dos irmãos Bolsonaro fazendo apologia da tortura, daqueles desqualificados da “bancada cristã” invocando um deus tão venal quanto eles (promete o paraíso e a salvação a quem pagar adiantado com sua fé e com seu dízimo), dos hipócritas que votaram “pela família”, além de outras bizarrices que foram todos citadas com cruel ironia. Um vexame de proporções globalizadas. O mundo capitalista reconheceu o triste episódio em que o Brasil, por seus tiriricas, igualou-se a uma Republiqueta: a bolsa de valores despencou e o dólar subiu. Os bregas que adoram “maiame” ficaram decepcionados, não vai dar para “toda hora comprar ternos”, mal cortados, na meca dos medíocres.

Não se enganem, todavia, não são todos tiriricas. Há ainda os traidores mau-caráter (entre os quais os que até ontem detinham cargos no governo à custa de chantagens diversas) e há aqueles, muito piores, ideológicos, que conduziram os tiriricas à efêmera fama no teatro de horrores do dia 17 de abril e que seriam os principais agraciados em um “novo” governo, muito parecido com os que tivemos até 2002. Estes, entretanto, são a minoria que conduz os tiriricas.

Com tristeza reconheço que a imensa maioria dos deputados e deputadas que envergonharam o Brasil não é diferente do estrato social a quem eles representam. Há milhares de tiriricas concursados, funcionários públicos, que sabendo que estariam elegendo um mau-caráter que teria por “vice” um escroque, estufaram o peito para gritar “fora PT” com um ódio irracional, digamos, típico do PSTU, mesmo sabendo que o oposto da socialdemocracia petista é o neoliberalismo que reduz gastos públicos com barnabés.

Foram centenas de milhares os que desfraldaram as bandeiras que a brisa do Brasil beija e balança tangidos por uma onda fascista que objetiva acabar com as políticas públicas para pobres, para coletivos vulneráveis de populações campesinas, LGTB, indígenas, negros, deserdados de um modo geral. Esse ódio é de classe, bem verdade, mas é também transversal: milhares de gays, de negros, de pobres, de marginalizados historicamente pelo capitalismo brasileiro, contaminados pelo ódio difuso, no dia seguinte festejaram a “vitória” contra o “governo comunista do PT”. Conheço vários que teriam todos os motivos racionais para serem contra o rompimento da ordem institucional e que se aliaram aos golpistas. São todos tiriricas.

Nas eleições passadas vários candidatos se apresentaram como “renovação” empunhando causas específicas como a “do povo cristão contra a degradação dos costumes”, a do “190 km/h é crime”, a dos deficientes, a dos ciclistas, a dos “corretores de seguro”, a “do povo assembleísta”, entre outras. Alguns foram eleitos e no espetáculo televisionado prestaram homenagem aos tiriricas que votaram neles. Muita gente inteligente acabou votando nesses candidatos e se remoeu de raiva, de remorso. Esses não são tiriricas e agora aprenderam. Voto para deputado tem que se pautar pelo conceito de a que classe social pretende servir o candidato, se não se posicionar claramente não merece confiança.

O slogan daquele deputado que sintetiza o padrão intelectual e ético da atual composição do parlamento brasileiro era “vote em Tiririca, pior que tá não fica” e com ele teve uma votação assombrosa.

Pois é. Ficou.

E o Brasil passa uma enorme vergonha internacional por causa dos tiriricas que neles votaram, muitos dos quais ainda estão comemorando, avoados, o prenúncio do que poderia ser um desastre para os Direitos Sociais. São todos tiriricas. E como o deputado Tiririca serão prontamente descartados. Não foi para beneficiá-los que o Golpe foi construído.

São uns ingênuos esses tiriricas.

*Advogado trabalhista. Doutor em Direito pela UFPR e pós-doutor junto à EHESS de Paris. Professor de Direito do Trabalho e de Direito Sindical na UFPR  e professor Catedrático em Direito do Trabalho no Mestrado em Direitos Fundamentais e Democracia no Centro Universitário UniBrasil

Anúncios

Manifeste-se!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: