Assinatura RSS

Transporte público: PT defende nova licitação, reforma na Urbs e frota pública

Publicado em

A direção municipal do PT adotou a seguinte resolução sobre a situação do transporte público em Curitiba. Apesar do silêncio da bancada e da vice-prefeita Miriam Gonçalves, a direção do partido na capital, presidida por Natalino Bastos, considera “o cenário insustentável, que só penaliza os usuários de Curitiba e Região Metropolitana”. A legenda também responsabilizou o governador tucano Beto Richa “pela desintegração do sistema, o que encareceu mais ainda o preço das passagens”. Confira.

72536

NOTA OFICIAL DO PT DE CURITIBA SOBRE O TRANSPORTE COLETIVO

A Executiva Municipal do PT de Curitiba vem a público manifestar-se sobre a atual situação do transporte público coletivo na cidade:

O aumento recente na passagem mostra que o cenário está insustentável. A Prefeitura e a URBS tiveram, nos últimos anos, a oportunidade de mudar a realidade e lutar para que a planilha de custo do sistema fosse revista, retirando itens que são cobrados do usuário injustamente, como o imposto de renda das empresas.

A administração municipal teria o respaldo da sociedade e do Tribunal de Contas do Estado para fazer isso, mas não o fez. Surpreendentemente, o que acontece é o oposto: a URBS entra com uma série de recursos contra a decisão do TCE de reajustar a tarifa, atitude que demonstra falta de interesse na mudança.

Se não concorda com as contas realizadas pelo TCE, a URBS deveria aproveitar para abrir o debate com a sociedade. Em vez disso, opta por manter o controle da planilha nas mãos das empresas que há décadas se beneficiam e operam o sistema – empresas que se mantiveram no controle mesmo depois do processo licitatório de 2010, que as favoreceu.

Este é o exemplo mais recente da intervenção da URBS quando o sistema tem a oportunidade de ganhar transparência. No início da gestão, a Prefeitura chegou a dar mostras de que estava disposta a resolver a questão do transporte. Na ocasião foram constituídas duas comissões (análise da tarifa do sistema de transporte coletivo e a de auditoria da URBS) que fizeram um trabalho importante, inclusive conseguindo dados que poderiam alterar a realidade do transporte de Curitiba. Entretanto, quando a Comissão de Auditoria estava construindo um edital para contratar uma auditoria externa, o trabalho foi encerrado pela própria URBS e nenhuma medida foi tomada.

Tudo isso inserido em um cenário em que o transporte público de Curitiba e Região Metropolitana está desintegrado, em parte por culpa das prefeituras, tanto de Curitiba quanto das outras cidades, que em nenhum momento tiveram a intenção de se unir para evitar que este prejuízo chegasse ao povo, mas principalmente pela atitude do governador Beto Richa (PSDB), que deu fim ao subsídio que garantia a integração.

Vale destacar demagogia do secretário de Desenvolvimento Urbano Estado, Ratinho Junior, que afirmou em entrevista ao jornal Gazeta do Povo publicada no dia 20 de janeiro que a culpa pela desintegração foi da administração municipal, dizendo que se for eleito para a Prefeitura sua primeira medida seria voltar com a integração.

No entanto, segundo o próprio site da Secretaria do Desenvolvimento Urbano, a missão da pasta é “definir as políticas, o planejamento, a execução, a coordenação e o controle das atividades ligadas ao desenvolvimento urbano e regional, além de integrar os municípios, a fim de ordenar o pleno desenvolvimento das cidades e garantir o bem-estar dos habitantes”. Colocando a culpa na gestão municipal, Ratinho tira de si a responsabilidade que tem, junto com o governo estadual, de contribuir com a integração do sistema.

Soma-se a isso a inoperância do Conselho Municipal de Transporte, que deveria ser um espaço de participação da sociedade e fiscalização deste serviço público essencial, mas não funciona. A última reunião foi no dia 20 de julho de 2012.

Há, portanto, uma clara falta de interesse dos atores sociais envolvidos, inclusive a URBS e a Prefeitura, na participação da sociedade nesta questão.

Por estes motivos, o PT de Curitiba defende a reestruturação da URBS e uma nova forma de gestão do transporte público com frota pública; nova licitação que integre o sistema público de transporte com a Região Metropolitana; Conselho Municipal e Metropolitano de Transporte aberto a sociedade civil com poder de fiscalização da tarifa e serviços prestados.

Curitiba, 11 de fevereiro de 2016.

Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores.

Anúncios

Manifeste-se!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: