Assinatura RSS

À beira do pagamento da folha, governo Beto Richa remaneja R$ 1 bilhão e cancela obras

Publicado em

À beira do pagamento da folha, governo remaneja R$ 1 bilhão e cancela obras

gestaofracassa

Novamente, à beira da folha de pagamento do funcionalismo, o governo do estado anuncia um grande remanejamento do dinheiro do orçamento aprovado no ano anterior. Desta vez, o decreto publicado em Diário Oficial mexe em mais de R$ 1 bilhão de várias secretarias. Isso equivale a mais de 2% do orçamento do estado sendo remanejados de uma única vez.

As mexidas são possíveis porque o governo conseguiu uma autorização especial da Assembleia Legislativa no fim do ano passado para que pudesse transferir até 15% do orçamento durante o ano sem precisar de autorização dos deputados a cada vez que fosse fazer isso. E são necessárias porque, aparentemente, o governo está precisando fazer de tudo para não deixar de pagar o funcionalismo em dia.

Relembrando em janeiro e fevereiro, o governo teve vários problemas por deixar de fazer alguns pagamentos aos servidores do estado. Não quitou em dia o terço de férias e a rescisão dos professores temporários, por exemplo. Para pagar a folha, precisou de ajuda do Tribunal de Contas, do Tribunal de Justiça, da Assembleia e do Ministério Público.

Na nova mexida, anunciada no Diário Oficial desta quinta-feira, os itens que mais perdem dinheiro são o pagamento da dívida, a Polícia Militar, o pagamento de precatórios e a Comec. Só de precatórios são R$ 100 milhões. Comec e PM perdem R$ 150 milhões cada. Os encargos da dívida interna perdem R$ 448 milhões; e os da dívida externa, R$ 30 milhões.

O decreto também cancela algumas obras. Na área da cultura, cancelam-se as restaurações do Museu de Arte Contemporânea e da Casa Andrade Muricy. Na Secretaria do Trabalho, cancelam-se cinco construções de “Territórios da Juventude”.

O decreto reforça a impressão dada pela determinação do governo em modificar até mesmo o orçamento do ano que já se encerrou: a de que as leis orçamentárias realmente não servem como guia algum para a realidade. São meras peças de ficção. Não se trata de governar segundo o que se prometeu e se aprovou – mas, sim, de adequar a promessa e a lei à realidade que o governo construiu.

Anúncios

»

  1. Pingback: À beira do pagamento da folha, governo Beto Richa remaneja R$ 1 bilhão e cancela obras | psiu...

  2. Naiara Greice

    Beto Richa deu prioridade total para as obras e garantiu que não haverá atraso na folha de pagamento.

    Curtir

    Responder
  3. Quem apertou o sinto do contribuinte e reduziu investimentos em todos os setores, como retirada de verba de obras do PAC, verbas da educação, da saúde, da segurança, da cultura, da agricultura, foi a Dilma. Consequentemente, isso com certeza afetou os estados. Aqui no Paraná, o governo apertou o próprio sinto, já o Governo Federal sequer mil dos 120 mil cargos comissionados reduziu.

    Curtir

    Responder
  4. TARSO ARAÚJO

    Por favor, não vamos ser injustos. Essa crise acontece em rede nacional. Foi criada pela má gestão da turma da Dilma. No PR o governo prioriza as obras, e garante o pagamento dos servidores… Não toma medidas populistas, mas sim medidas eficientes, como a reduçãod e cargos comissionados e o salário do próprio chefe do executivo estadual.

    Curtir

    Responder
  5. Até onde eu tenha visto, Richa tem feito bastante obras. Bem ao contrário do governo Requião que deixou nosso estado totalmente endividado, mesmo sem nada fazer, e do governo federal que nada tem feito em nenhum lugar.

    Curtir

    Responder

Manifeste-se!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: