Assinatura RSS

Opinião ## Petrobrás: A maior derrota em doze anos

Publicado em

O Blog reproduz artigo do jornalista Breno Altman sobre a saída de Graça Foster do comando da estatal e a possível nomeação de um presidente ligado aos interesses do mercado, o que pode significar a abertura de caminho para a privatização dos setores essenciais da petroleira e o fim da política de exploração soberana do pré-sal, o fim do sistema de partilha sob controle nacional e das alianças continentais com as outras estatais do ramo. Concordo com autor do texto: foi a maior derrota do projeto democrático-popular em 12 anos. Além disso, é uma derrota que enfraquece política e ideologicamente o conjunto da esquerda.(nota do editor do blog). Confira artigo.

PETROBRAS

Pela primeira vez, desde 2003, a Petrobras deixará de ser dirigida por um representante do campo político-ideológico que governa o país.

O novo presidente da estatal provavelmente sairá dos quadros de seus adversários – leia-se, alguém crítico ao regime de partilha e à política de conteúdo nacional, talvez até favorável à sua privatização.

O profissional indicado, imagina-se, terá que se comprometer junto ao governo de sublimar suas posições pessoais sobre esses assuntos para assumir o cargo.

Mas os riscos de retrocesso são evidentes e perigosos.

O PT e a esquerda estão perdendo os principais postos da direção econômica do governo, dando lugar a expoentes do pensamento seguidamente derrotado pelas urnas nesse século.

Os brutais erros cometidos pela atual gestão da Petrobras, na tentativa de conter desabrida ofensiva para desidratar a empresa, tornaram inevitáveis mudanças de comando.

Decididas há dois meses, poderiam ter significado, por exemplo, a nomeação do petroleiro Jacques Wagner para sua presidência, com boas chances de estancar a crise e reorganizar a companhia sem dormir com o inimigo.

Ficou tarde demais para uma solução caseira e classista.

O governo demorou para reagir, não o fez à altura e sentiu-se obrigado a jogar a toalha, buscando ganhar tempo para reorganizar a casa.

A presidente teria o caminho de fechar o capital da companhia e reduzir a capacidade ofensiva das forças privatistas. Seria, no entanto, medida incoerente com a orientação de profundo recuo adotada em seguida às eleições.

Na lógica da estratégia pós-outubro, restou nova capitulação ao mercado.

Trata-se da maior derrota do projeto democrático-popular em doze anos.

Será árduo o combate para recuperar a empresa sem o país perder sua principal ferramenta de desenvolvimento ou vê-la condicionada por interesses imperialistas.

*É editor do Site Opera Mundi

Anúncios

Manifeste-se!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: