Assinatura RSS

Nota do PT de Curitiba sobre a crise do transporte coletivo

Publicado em

A Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores de Curitiba, reunida no dia 29 de janeiro de 2015, vem a público manifestar sua posição sobre a crise do transporte coletivo de Curitiba e região metropolitana.

5239b-logomarcapt-partidodostrabalhadores

A população, nem os trabalhadores do sistema de transporte coletivo de Curitiba podem ser penalizados pela falta de encaminhamento às questões relativas ao financiamento do transporte entre os empresários e os governos municipal e estadual.

O Ministério Público precisa dar uma resposta à sociedade dos processos que foram encaminhados pela CPI da Câmara Municipal, Tribunal de Contas e Comissões criadas em 2013, que apontaram diversos problemas no sistema de transporte da cidade, que vão desde um possível direcionamento na licitação de 2010 até a inclusão de absurdos colocados na planilha que compõem a tarifa como o imposto de renda das empresas.

É inadmissível que um processo que atinge praticamente 2 milhões de pessoas e que tem um custo elevadíssimo para os cofres públicos fique tanto tempo sem resposta.

Este processo pode reverter uma grande injustiça com a população de Curitiba e Região Metropolitana que pode estar pagando muito mais do que seria necessário para manter o sistema de transporte.

A desintegração do transporte coletivo da Região Metropolitana será um retrocesso político e social e prejudicará centenas de milhares de pessoas que, com a força de seu trabalho, fazem a riqueza da região. O risco é de tarifa mais alta, deslocamentos mais demorados, serviços piores. Caso ocorra, representará a falência da política mais republicana e a vitória dos interesses de grupos políticos sobre os interesses da coletividade.

A responsabilidade pelo transporte coletivo metropolitano é do Estado, mas o atual governador jamais assumiu essa responsabilidade, tanto que ainda não realizou a licitação das linhas intermunicipais do denominado Lote 4, que ficou de fora das licitações da URBS de 2010.

O transporte coletivo metropolitano tem um custo mais alto que o transporte municipal de Curitiba, mas a URBS, que administra essas linhas intermunicipais, aplica a mesma tarifa a todos os usuários.

Isso só vem sendo possível, sem que se onere o munícipe de Curitiba, porque o Estado do Paraná subsidia o transporte metropolitano desde 2010, por força de convênio firmado entre a COMEC e a URBS, renovado todos os anos.

Ocorre que o governo do Estado faz uso político desse convênio, travando desnecessário cabo de guerra com a Prefeitura de Curitiba, prejudicando os usuários, desgastando a administração municipal e, por consequência, favorecendo os empresários concessionários, que pressionam por uma tarifa mais alta. A COMEC faz parte da estrutura da Secretaria de Desenvolvimento Urbano, que tem Ratinho Junior como secretário.

Destarte, é inevitável responsabilizá-lo, juntamente com o governador do Estado, por esse procedimento espúrio, de negar o repasse do subsídio ou propor-se a fazê-lo em valor inferior a anos anteriores.

Por outro lado, os prefeitos da Região Metropolitana, que evitam posicionar-se publicamente sobre a questão, têm que se envolver de forma mais ativa para encontrar uma solução definitiva, estável, para o sistema metropolitano de transporte. Lavar as mãos, como têm feito, prejudicará os moradores de seus próprios municípios.

A solução de curto prazo, acerca da integração metropolitana, passa pela renovação do convênio, com a manutenção do subsídio estadual em níveis não inferiores ao dos anos anteriores. A desintegração do transporte metropolitano prejudicaria sobremaneira os usuários, e tanto o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, quanto o Governador, Beto Richa, devem impedir que o retrocesso ocorra.

No médio prazo, faz-se necessária uma reformulação da gestão do transporte metropolitano, com participação ativa de todos os municípios que fazem parte do sistema, assim como a licitação das linhas metropolitanas que ainda vigoram em regime de permissão.

O Partido dos Trabalhadores vai dialogar com entidades sindicais e do movimento social que propõem outras medidas para avançar na mudança do sistema de transporte da cidade de Curitiba.

Curitiba, 29 de janeiro de 2015,

Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores de Curitiba

Anúncios

Uma resposta »

  1. Pingback: Nota do PT de Curitiba sobre a crise do transporte coletivo | Milton Alves | psiu...

Manifeste-se!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: