Assinatura RSS

Arquivo do mês: abril 2014

Para uma avaliação da greve dos professores: Derrotar a intransigência do Gov. Beto Richa era possível

Publicado em

I. O Blog tem acompanhado com interesse a mobilização dos professores e funcionários da rede estadual de ensino. Ao longo da atual administração temos visto uma atitude de descaso com as reivindicações do conjunto da categoria. Essa política tem prevalecido tanto do ponto de vista da recomposição das perdas salariais como na definição a longo prazo de políticas de valorização da carreira no magistério (progressão na carreira,hora atividade de fato, vantagens e incentivos para a qualificação permanente do quadro, PSS, entre outras). Ou seja, um rol de demandas não resolvidas que afetam a qualidade do ensino ministrado na rede pública.

DSC01426

II. O atual governo, isto é fato, significou um retrocesso para o sistema educacional do estado. A dupla Beto Richa/Flávio Arns não apresentou um projeto de conjunto para a educação. Na comparação das gestões, o governo Requião teve desempenho melhor. Um grande passivo ficará para a próxima gestão, que vai desde a necessidade da formulação de um plano estratégico estadual para o setor até a recuperação da rede física.

III. O governo Beto Richa não priorizou a educação, os educadores e os estudantes. Foi uma opção, ideológica ou não, a atual gestão teve uma atuação pífia, pontual. Para se ter uma ideia até o porte das escolas estaduais foi reduzido. Um desastre.

IV. O atual cenário demanda de todos aqueles que defendem uma perspectiva de implantação de um sistema de ensino público e gratuito de qualidade, inclusivo e democratizador, uma vigorosa ação de contraposição política, ideológica e sindical. Com as todas letras e sem aspas: O governo Beto Richa é inimigo da educação pública.

V. Portanto, uma ação sindical mais vigorosa por parte da APP-Sindicato era necessária, não somente agora, mas durante toda gestão Beto Richa. Longe de julgar a prática sindical de uma poderosa entidade, no entanto, é forçoso reconhecer que faltou mais inventividade e disposição no enfrentamento com a administração. Essa opinião é compartilhada por um vasto segmento da categoria e de grupos organizados atuantes no sindicalismo do magistério.

VI. Neste sentido, a greve foi um momento do encontro de anseios entre o conjunto da categoria e a direção sindical. Daí o seu caráter massivo, cerca de 70% de adesão. Foi um momento de explosão da indignação dos professores e funcionários. A paralisação durou uma semana e tinha fôlego para prosseguir, emparedando o governo, que apostou suas fichas no esvaziamento da greve.

VII. A decisão de interromper a greve, depois de uma enorme passeata, foi um erro e expressou uma subestimação da disposição de luta da categoria. O sentimento de amplo contingente da categoria demonstrava vontade de prosseguir com o movimento. Era possível derrotar politicamente a intransigência do governo Beto Richa.

VIII. Encerrar a greve no auge da sua força possibilitou uma retomada do discurso procrastinador e mitigador das reivindicações do magistério, orientação adotada pelo governo/Seed. Apostar numa mesa de negociação “a frio” deixará a categoria sem empoderamento e uma força de pressão diante de um governo hostil

IX. A polêmica segue na categoria, e o desfecho das negociações será decisivo para o futuro da legitimidade da atual direção sindical da APP.

A tensão é de alta voltagem, e o fio está desencapado. Alguém sairá eletrocutado politicamente (é claro) no final dessa historia…

Fifa vai isolar bairro da Água Verde nos dias de jogos da Copa. Ninguém entra, ninguém sai!

Publicado em

Visitantes não podem circular na região nos dias de jogos da Copa. Cadastramento da população já começou. Medida torna o bairro um território sob controle da Fifa

364362-970x600-1
Arena da Baixada, na Água Verde, palco do torneio da Fifa em Curitiba

Via BandNewsFM – Curitiba

Começou nesta quarta-feira (30) o cadastramento dos moradores do entorno da Arena da Baixada para o período da Copa do Mundo. A medida é necessária para que os moradores cadastrados possam circular pela região quando estiverem em vigor as restrições de tráfego estabelecidas em função dos jogos do Mundial. Os bloqueios devem ocorrer quatro horas antes dos jogos até duas horas depois. Nesse período, quem não for morador ou comerciante cadastrado não poderá circular na região do estádio.

O credenciamento é uma exigência da Fifa e segundo a Prefeitura de Curitiba, é necessária para garantir a segurança durante o evento internacional. São 30 mil pessoas afetadas diretamente. O geólogo da Petrobras Gustavo Hinz tem um apartamento na região e reclama da obrigação do cadastro. Ele acredita que a medida é inconstitucional e afirma que terá dificuldade para cadastrar pessoas que eventualmente visitem a casa dele.

Gustavo Hinz é curitibano, mas trabalha em escalas nas plataformas de petróleo da Petrobras em Santos e no Rio de Janeiro. Ele ainda não tem comprovante de residência para cadastrar com facilidade e reclama também da falta de informações da prefeitura.

Outra queixa é a rigidez do cadastro que exige informações comprovadas dos moradores do Água Verde. Visitantes não podem circular na região se não tiverem ingressos ou não forem cadastrados com comprovante de residência.

O credenciamento pode ser feito por moradores, trabalhadores e comerciantes da região. Para os moradores, é necessário apresentar o RG e também um comprovante de residência válido nos últimos três meses (contas de luz, água e telefone). Menores de idade sem RG também podem se cadastrar e devem usar a Certidão de Nascimento. Já as pessoas que trabalham na região devem apresentar o RG, um comprovante de endereço e também uma comprovação de vínculo empregatício. O cadastro não informa se é possível cadastrar visitantes e hóspedes dos moradores da região.

O credenciamento deve ser feito pela internet no endereço http://www.copa2014.curitiba.pr.gov.br/cadastramento.

Belo Horizonte recebe 1° Encontro dos Atingidos pela Copa, Olimpíadas e Megaprojetos urbanos

Publicado em

Encontro reunirá lideranças de comunidades atingidas pela preparação do evento. Um ato de protesto será realizado no dia 3 de maio, com o lema “Copa sem povo? Tô na rua de novo!”.

images-8-21-821dfcc744d9171b6e3c7b34a765f53817da1cf8
Protesto contra as remoções e despejos de comunidades

O Encontro contará com a presença de cerca de 1000 atingidos das 12 cidades-sede da Copa do Mundo, Olimpíadas e Megaprojetos de todas as regiões do país, nos dias 1, 2 e 3 de maio, no Colégio Municipal Marconi. Niren Tolsi, jornalista da África do Sul, estará presente no encontro para falar da experiência da Copa do Mundo em seu país. No dia 3 de maio será realizado o ato “Copa sem povo? Tô na rua de novo!”, às 15h, com concentração na Praça Pio XII. O encontro acontece em meio à expectativa quanto à realização da Copa do Mundo no Brasil, após as chamadas jornadas de junho, há quase um ano atrás, durante a Copa das Confederações.

O custo social e financeiro de preparação da Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil é enorme. Segundo o Dossiê Nacional Violações de Direitos Humanos e Megaeventos (disponível aqui: http://bit.ly/1p0WUec), são cerca de 250 mil (dado atualizado para 2014) pessoas ameaçadas de remoção em função da Copa do Mundo e Olimpíadas. No que diz respeito às despesas financeiras, serão gastos quase 100 bilhões de reais para viabilizar esses dois megaeventos. Enquanto isso, a Fifa, que conta com isenção fiscal por parte do governo federal, não irá pagar nem um centavo para realizar os jogos no Brasil. Além disso, o evento trouxe uma série de alterações na legislação, que causaram, dentre outros, um aumento da criminalização dos movimentos sociais.

Os problemas trazidos pela Copa do Mundo para o povo brasileiro não param por aí, dentre o “legado da Copa” pode-se destacar a submissão do governo brasileiro aos interesses da FIFA, as remoções forçadas de milhares de famílias e comunidades inteiras, a falta de participação popular no planejamento das obras e no destino dos gastos públicos, violações de direitos de diversas formas, como o direito à moradia, à informação, à participação ao trabalho e até mesmo à vida, com a morte de 8 operários em obras da Copa até a presente data. O agravamento do turismo e exploração sexual de crianças e adolescentes, especialmente em cidades que historicamente já contavam com esse tipo de prática. Outra grande marca da realização da Copa do Mundo é a corrupção, com o superfaturamento das obras e o lucro extraordinários das grandes empreiteiras. A realização da Copa também fez recrudescer as leis, atingindo em cheio o direito à livre manifestação e organização dos movimentos sociais.

Os megaeventos trouxeram também outro legado que se contrapõe ao legado negativo descrito acima, que se concretizou enquanto movimentos de contestação à Copa nas 12 cidades-sede. Dentre os diversos movimentos de contestação foi central o papel da Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa (ANCOP), que reúne os Comitês Populares da Copa das 12 cidades-sede e que a articulação responsável pela organização do Encontro dos Atingidos. A ANCOP, através dos Comitês tem acompanhado sistematicamente, desde 2010, os impactos da Copa e elaborado diversos documentos, como o dossiê, cartilhas, posicionamentos políticos, de formação e informação, organizado protestos e projetos técnicos alternativos que evitem as remoções e mais violações de direitos.

Nestes três dias de Encontro dos Atingidos, iremos avançar na organização popular por intermédio da troca de experiências, traçar estratégias de luta em comum, elaborar documentos de denúncia e um plano de reparações que deve ser entregue aos governos, justiça e poder legislativo. Participarão do Encontro dos Atingidos, moradores das comunidades ameaçadas de remoção pelas obras da Copa e Olimpíadas e Megaprojetos de todo país. No dia 3 de maio será realizado o ato “Copa sem povo? Tô na rua de novo!”, às 15h, com concentração na Praça Pio XII (Avenida do Contorno com Amazonas).

Fonte: Portal Popular da Copa

1° de Maio com atos e festas em todo Paraná

Publicado em

Atos e festas comemoram o 1° de Maio em todo o país. A pauta trabalhista, reforma política e protagonismo dos trabalhadores na disputa dos rumos políticos do país serão os eixos reivindicativos defendidos nas manifestações.

images

No Dia do Trabalhador, 1º de maio, muitas homenagens são realizadas em todo o Brasil promovidas pelas centrais sindicais CUT (Central Única dos Trabalhadores), CGTB (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil), CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), Força Sindical, NCST (Nova Central Sindical dos Trabalhadores), UGT (União Geral dos Trabalhadores), além do CST (Centro de Solidariedade ao Trabalhador), FNDC (Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação) e do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra). As principais atividades de cada estado serão realizadas nas capitais.

Na capital e em todas as regiões do Paraná

Curitiba: às 9h, na Praça Nossa Senhora de Salette, shows e sorteios de brindes.

Campo Largo: duas festas acontecem uma promovida pela Nova Central e outra organizada pela Força Sindical

Telêmaco Borba: sindicatos filiados a Nova Central organizam uma grande festa para os trabalhadores

Londrina: a partir 14h, a Nova central promove uma confraternização com a participação de diversas categorias

Arapongas: realiza atividade promovida pela Nova Central com trabalhadores de diversas categorias profissionais

Ponta Grossa: às 14h, a festa será em Ponta Grossa, no Centro de Eventos de Ponta Grossa, como “1° de Maio Solidário”. O evento terá sorteio de prêmios. Para concorrer, basta trocar um quilo de alimento por um cupom.

Matinhos: a comemoração será na Praça Central de Matinhos, às 9 horas com shows de bandas diversas.

*Com informações das centrais sindicais

Direção da APP- Sindicato aprova suspensão da greve

Publicado em

Numa assembleia com quase cinco mil participantes, no final da tarde desta terça-feira(29), a maioria dos presentes acatou a proposta de suspensão da greve defendida pela direção do sindicato. Um expressivo grupo de professores e funcionários defendeu a continuidade do movimento. Professores PSS foram em grande número favoráveis a continuidade do movimento.

10154480_10201426393056446_2706616986837051574_n
Assembleia dos professores aprova suspensão do movimento

Greve da educação e “Síndrome Álvaro Dias”: Multidão de professores nas ruas coloca Gov. Beto Richa na parede

Publicado em

Uma multidão de professores, milhares, os números variam 10 mil, 15, 20 mil, o fato é: muita gente ao mesmo tempo na rua reivindicando o fim do descaso do governo estadual com as sentidas reivindicações do magistério paranaense. Redes sociais, blogues e outros espaços virtuais em todo estado repercutem o protesto. O desgaste do governo aumentou nas últimas horas e a greve continua forte.

10154438_805706546120488_713241129479914993_n
Marcha da Educação e a “Síndrome Álvaro Dias” apavora gov. Beto Richa

A aposta do governo em vencer pelo “cansaço” os professores e a direção sindical não deu certo. Neste momento, a correria é grande no secretariado de emergência do governo Beto Richa. A ordem é uma só: como conter a maré humana que protesta em Curitiba e em todo estado.

“Síndrome Álvaro Dias”

Observadores políticos recordam que um enfrentamento prolongado, com uma categoria numerosa e espalhada por todas as cidades. poderá ocasionar danos permanentes a imagem do governador e pré-candidato à reeleição em outubro. Na corte palaciana, alguns áulicos falam em uma “Síndrome Álvaro Dias”. O nome do veterano senador é lembrado como um exemplo de político que ficou marcado por reprimir os professores em protesto na capital. A simples lembrança do fatídico episódio causa calafrios nas espinhelas dos governistas.

O governo Beto Richa(PSDB) não reprimiu, mais está sendo marcado como o governante mais ingrato da história com os professores e funcionários de escolas da rede estadual de ensino. Ou seja, um “governador coração de pedra”, que não atendeu as reivindicações da categoria.

Hoje à tarde, 15h30, os professores farão assembleia na Expo Unimed Curitiba (Teatro Positivo) para analisar a proposta do governo e debater a continuidade do movimento.

Correntes que atuam na categoria como a Conlutas defendem que a greve deve continuar.

Na rede: Google compra fabricante de “drones”

Publicado em

Google vai comprar a Titan Aerospace, uma empresa norte-americana com apenas 20 funcionários e que criou protótipos de “drones” solares, capazes de voarem durante cinco anos. O montante da aquisição não foi revelado.

drones
Drones, cada vez mais utilizados pela internet em áreas remotas

O Google diz que os aparelhos tripulados à distância poderão servir para obter imagens e levar a internet às zonas mais remotas. Ao contrário dos satélites, os “drones” podem aterrar, ser reparados, remodelados e reenviados em missão.

A corrida à superioridade tecnológica por via aérea já levou o Facebook a comprar a Ascenta, uma empresa britânica de aviões solares por 20 milhões de dólares.

Fonte: Euronews

%d blogueiros gostam disto: